fbpx
ted talks

Conheça os 3 melhores TED Talks para quem quer aprender mais sobre inovação

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Palestras são uma ótima forma de se obter conhecimentos de forma rápida e ainda conhecer o que pensam os especialistas da sua área. Por isso, confira a nossa lista com os 3 melhores TED Talks sobre Inovação!

A nossa escola acredita no poder do design e da inovação, por isso somos antenados em todo conteúdo gerado sobre estas temáticas.

Neste artigo reunimos três TED Talks bem especiais para te conectar com abordagens sobre o mundo da inovação e expandir as possibilidades de aplicação sobre este assunto. Umbora nessa?

#1: Where good ideas come from (De onde surgem as boas ideias) por Steven Johnson

Este é um pocket super descontraído. Steven conta que, ao analisar o contexto social histórico da sua cidade, percebeu que as cafeterias inglesas tiveram papel decisivo desenvolvimento propagação de novas ideias.

Este espaço favorecia que as pessoas se encontrassem, em diferentes níveis e diferentes campos de conhecimento, e compartilhassem ideias entre si. Esta percepção o levou a pesquisar quais são os tipos de ambientes que conduzem a níveis incomuns de inovação procurando por padrões recorrentes entre eles.

Steven cita que explorou ambientes de comunicação, a história das primeiras cidades e até ambientes biológicos.

A conclusão desta análise é que um dos padrões se dá pelo fato de que as novas ideias não surgem simplesmente de um momento de iluminação ou do famoso momento “eureca”, e que na verdade o ambiente para que novas ideias surjam é resultante de uma combinação em rede de várias ideias diferentes.

Outra evidência desta pesquisa é que a inovação surge em ambientes com muito barulho, caos e discussões onde as “ideias líquidas” se condensam até chegarem a inovação de fato.

Além disso, Steven destaca o risco que temos em querer encurtar o tempo e contar o momento que a inovação surgiu, pois esse processo requer períodos longos de incubação, o que ele chama de “vagarosa intuição”.

Por fim, ele também alerta sobre o fato de as pessoas se apegarem às ideias e tentarem protegê-las com o propósito de manter apenas sobre sua autoria a nova descoberta e que essa atitude confronta uma das principais evidências encontradas sobre a necessidade de conexão para que realmente boas ideias surjam.

#2: The art of innovation (A arte da inovação) por Guy Kawasaki

De forma empática e leve, Guy Kawasaki apresenta os pontos principais que ele acredita formarem uma boa arte da inovação. São eles:

  1. Crie significado, em vez de dinheiro. A inovação deve ter o propósito de impactar o mundo primeiro e, somente depois, ganhar dinheiro;
  2. Crie um mantra. Explique em duas ou três palavras porquê o seu significado deve existir. Aqui ele traz alguns exemplos, como a Nike, que diz: “performance atlética autêntica”, ou ainda a FedEx, que diz: “paz de espírito”; 
  3. Pule as curvas. Fuja de tentar fazer coisas apenas com pequenas mudanças, se proponha a criar novas curvas do produto/serviço. Neste ponto, Guy exemplifica com a evolução das curvas do produto gelo. No início o ambiente onde este produto era concebido exigia um esforço de espaço e clima para, com o passar do tempo, o gelo começar a ser feito em fábricas, mas uma última curva de evolução proporcionou que o gelo fosse produzido dentro das nossas casas por meio de um refrigerador. “A maioria das empresas se definem nos termos do que elas fazem, não dos benefícios que elas oferecem”, e esta postura faz com que muitas organizações não pulem as curvas do seu negócio;
  4. “Roll the DICEE”. Esta expressão foi criada pelo próprio Guy e ele conceitua que existem cinco grandes qualidades de uma grande inovação, são elas: Profunda, inteligente, completa, empoderadora e elegante;
  5. Não se preocupe, seja ruim. Ao aceitar a ideia de que ao pular novas curvas o seu protótipo deverá ter falhas, você também aceitará que ele poderá ser aperfeiçoado após o seu consumidor o utilizar e que, talvez, você também possa descobrir que o propósito inicial da inovação gerada não foi o que você pensava, mas que pode ter atendido a outra necessidade. E está tudo bem;
  6. Deixe 100 flores desabrocharem. Expanda pessoas, lugares e forma de uso do seu produto/serviço;
  7. Polarize pessoas. Aqui Guy Kawasaki constata que é necessário aceitar que as grandes inovações sempre vão gerar detratores e patrocinadores, e que isso é importante para o processo de melhoria das ideias;
  8. Agite baby, agite. Este ponto é para ressaltar a importância de escutar as pessoas e lançar “o novo” no mundo tendo uma vigia constante do que é preciso melhorar;
  9. Produto único e valioso. Por meio de uma matriz simples com variáveis de valor (referência monetária) e exclusividade, ele apresenta que a inovação está em um ponto em que não se combinam o mais alto padrão de autenticidade e valor;
  10. Aperfeiçoe seu discurso. Apresentar novas ideias sempre vai requerer que você tenha um alto poder de sintetizar e customizar o que vai falar. Ele dá aqui a dica do “10 20 30”: 10 slides, 20 minutos e fonte número 30.

#3: Precisa de uma nova ideia? Comece no limite do que é conhecido por Victorio Loretto

Neste TED Talks, Victorio introduz exemplificando como as teorias da gravidade, com Newton, ou a teoria da relatividade, com Einstein, foram criadas com condições específicas e favoráveis que sempre estiveram presentes no ambiente.

Com isso ele afirma que, se você quiser entender como nascem as grandes ideias e o modo como entram em nossas vidas, saber questionar já é uma primeira grande solução.

Ele patrocina a ideia de que todos podem experimentar o novo, todavia o novo pode ser assustador por explorar um espaço muito peculiar: o espaço das possibilidades.

Após essa introdução ele conta que em Roma, em meados de 2012, ele e a sua equipe ficaram presos no departamento devido a uma forte nevasca e, neste momento, começaram a conceber uma possível fórmula matemática que expressasse como o novo é gerado.

Com isso, nasceu a teoria do “possível adjacente” que, de forma geral, seriam as ideias, moléculas e tecnologias que estão a um passo do que existe e é conhecido atualmente e que podem ser modificados com incrementos.

Victorio defende a ideia principal de que “o possível adjacente” não pode ser pré-definido, que ele é algo que acessamos e que continuamente será modelado e remodelado por nossas ações e escolhas.

E, aí? Gostou de aprender ainda mais sobre o universo da inovação com esses incríveis TEDs?

Então aproveite também para conhecer também a nossa lista de 7 livros sobre inovação para você ler ainda este ano. Boa leitura!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Umbora - Experiências Educacionais

Av. Washington Soares, 909 salas 83 A | B, Edson Queiroz, Fortaleza – CE

+55 (85) 3241.5759
+55 (85) 99139.0285

#umboranessa

© 2018 Umbora. Todos os direitos reservados. CNPJ: 27.212.739/0001-13